Posted on: 12 de agosto de 2020 Posted by: Will Comments: 0

Lançado no distante ano de 2001, “Liga da Justiça” é um desenho protagonizado pelos principais heróis da DC e, numa espécie de linha do tempo, ele vem para preencher um vácuo deixado após o fim das séries animadas do Batman e do Superman e até “Batman do Futuro”, que surgiu em 1999.

Fazendo valer toda a história insuperável de boas animações da DC, o programa foi um grande sucesso e teve duas temporadas, vendeu pencas de bonequinhos (action figures) e deu origem a uma continuação: “A Liga da Justiça Sem Limites”.

Nesta versão, Batman, Superman e o Marciano J’onn J’onzz, se unem à Mulher-Maravilha, Lanterna Verde e Mulher-Gavião para livrar o mundo do mal e dos planos elaborados de alguns vilões que vez ou outra resolvem unir forças para vencer os mocinhos.

O primeiro episódio começa em Marte. Após uma expedição espacial terráquea ao planeta vermelho, a Terra é secretamente invadida por aliens que imitam humanos e se infiltram em posições-chave tanto no governo, quanto na divisão de ciências e tecnologias das Indústrias Wayne.

Um rombo no orçamento da própria empresa faz o Batman investigar o caso e descobrir junto de Superman que o marciano J’onn J’onzz, o último de sua civilização, estava feito prisioneiro dos tipos alienígenas que anteriormente já haviam colonizado e acabado com toda a vida de Marte.

Nem todos os personagens aparecem em todos os episódios

Os heróis recém-reunidos devem então lutar contra a invasão intergaláctica. Dá certo. Ao final do terceiro episódio está formada a Liga da Justiça. Acompanhamos então as aventuras da equipe para salvar a Terra de outras ameaças e também de lidarem com suas diferenças. Sem integrar a equipe principal oficialmente, o Aquaman faz algumas participações especiais.

Ao longo de mais 43 episódios (quase sempre divididos em duas partes) vemos os laços entre o grupo se estreitarem. O Batman, por exemplo, diz que é ocupado demais e para ser chamado quando precisarem. Nem sempre aparece em todos os episódios.

Há uma divisão legal de protagonistas e conflitos a cada capítulo e além do aprofundamento dessas relações, algumas informações sobre a Mulher-Gavião são salpicadas aqui e acolá.

Ficamos sabendo que seu planeta natal, Thanagar, fica em uma galáxia muito distante e que lá ela era policial, mas toda vez que ela é perguntada sobre seu passado ou suas origens, convenientemente ela escapa de responder, porque algo mais urgente surge.

Ainda assim, mesmo bancando a ruiva misteriosa, ela e o Lanterna Verde se envolvem.

Num falei?

O time de heróis viaja para outros planetas, tempos e dimensões. Salvam o dia diversas vezes e às vezes ficam bem perto de se darem mal. Então, chegamos aos três últimos episódios da segunda temporada e este é o arco que melhor configura um season finale na história dos season finale e ainda lembro como se fosse hoje do impacto que senti ao vê-lo pela primeira vez.

Às vésperas de uma reunião da ONU, a Terra é invadida por uma nave gordaniana. De prontidão a Liga parte contra os invasores e logo leva uma surra, até que uma nave ainda maior (seguida de toda uma frota) vem e salva o dia. São os thanagarianos que mandam aquele papo de levem-me ao seu líder.

E eles trazem uma mensagem: a nave invasora é um alerta, porque o povo gordaniano, inimigos históricos dos thanagarianos, pretende atacar a Terra e os thanagarianos propõem construir um campo de força ao redor do planeta para que o mundo possa ser salvo.

As autoridades mundiais acabam por concordar e a Liga da Justiça coopera com a construção da instalação que ativará o campo de força.

Desconfiado até o último fio de cabelo, Batman vai investigar a situação e descobre que a invasão da nave Gordaniana era apenas uma simulação. A Liga da Justiça é feita prisioneira, a Terra é colocada em lei marcial e ficamos sabendo que Shayera Hol, a Mulher-Gavião, estava na Terra como espiã, em missão militar, para coletar informações sobre os modos de vida terráqueos.

E aí é reviravolta atrás de reviravolta. Como o discurso dos thanagarianos era papinho, descobrimos que o plano real é que no lugar de um campo de força, o que eles querem construir é uma espécie de desvio hiperespacial, só que para isso precisa explodir a Terra e acabar com toda a vida que há nela.

É todo um babado para os heróis fugirem da prisão e se reagruparem na Batcaverna. A Mulher-Gavião ajuda a Liga uma última vez, explicando os planos dos inimigos. Então vem o contra-ataque dos heróis, em que depois da derrota eles aprendem com os próprios erros e chutam as bundas dos vilões. Num gesto de grande sacrifício o Batman arremessa a torre de vigilância da Liga na estrutura do desvio hiperespacial instalado na Terra e o bem triunfa sobre o mal. A guerra thanagariana deve ser adiada e eles partem em retirada.

Sobre os destroços da confusão, os heróis debatem se a Mulher-Gavião deve ser perdoada, se será ou não readmitida na equipe. Enquanto isso, ela aguarda numa sala da mansão Wayne ao lado de um atarefado Alfred. A discussão gira em círculos e o Batman propõe uma votação. Não ficamos nunca sabendo qual foi este resultado.

É a força do não dito e do não revelado. É o desfecho dos desfechos e minhas palavras não fazem jus ao final dessa conclusão. Antes que qualquer um deles diga algo, a Mulher-Gavião informa que está se desligando da Liga da Justiça para efeito imediato. Precisa encontrar um propósito e descobrir que caminho de vida trilhará, sozinha, a partir de então.

O início de um sonho

Como todo fim guarda em si um novo começo, este não poderia ser diferente. É o final da Liga da Justiça como conhecemos que dá lugar ao “Liga da Justiça Sem Limites”, desta vez com episódios que em sua maioria se encerram em si mesmos, mas que trazem uma grande trama sendo costurada por trás, em que personagens queridos, mas menos populares, dividem o protagonismo com grandes estrelas da DC.

Claro que nós, meros expectadores, ainda não sabíamos disso na ocasião e tivemos que viver com um enorme E AGORA? O que é que acontece com estes personagens?, até que Liga da Justiça Sem Limites começasse a ser exibido. E isso num tempo pré internet banda-larga, quando o desenho era exibido pelo SBT. O Cartoon Network era um sonho distante.

Se às vésperas de completar duas décadas venho aqui dizer o quanto este desenho foi muito bom e o quanto esse foi o melhor final possível, concluo lembrando que “Liga da Justiça Sem Limites” fecha um arco importantíssimo de “Batman do Futuro”. Mas isso é outra história.

Últimos posts por Will (exibir todos)

Leave a Comment

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.