Posted on: 10 de junho de 2014 Posted by: Will Comments: 0

Tinha tudo para ser promissor

noveleletas-joao-vereza-ligia-braslauskas-literatura-r7-70012Não sei se o sono prejudicou. Acordei muito cedo para encarar um plantão e não gostei muito de “Noveleletas”. Pra falar a verdade não entendi direito a dinâmica do primeiro conto.

Achei um pouco confuso. O que foi uma pena, porque eu quase desisti da leitura, e eu não gosto de fazer isso. Afinal, era um livro promissor, vencedor do prêmio Sesc e tal.

Peguei ele emprestado na Folha, na pilha de livros que a galera deixa para scanear na foto e depois fica lá, eternamente.

Gostei mais dos contos seguintes. São mais envolventes. As histórias se passam em pequenas cidadezinhas do interior de Minas, mas poderia ser o interior de qualquer Estado.

O conto que eu mais gostei foi “A Maçã do Chorume”. O tal do Chorume é um cachorro que já apareceu no primeiro conto, apesar de João Paulo Vereza dizer em nota que não.

Não é de propósito que o cãozinho vira-lata aparece na capa do livro (eu tinha achado antes que era uma onça). Na história, faminto durante uma festa ele causa. E começa a ser perseguido pela população local.

A narrativa é original e empolgante e João Paulo aqui consegue criar mistérios que dão agonia. Tipo quando o cachorro está para ser morto. É tenso.

Há uma história toda em forma de poema, tive um pouco de problemas. Mas a coisa toda remete à escravidão, grupos de capataz, colonização, ouro e etc.

Um dos melhores contos depois de “A Maçã…” é “A Perna do Rei”. É do longe o mais criativo. É bastante inusitado. Uma história bem contada, eu diria. E deu vontade de fazer um cruzeiro, assistir “Titanic” e ver um show do Roberto Carlos.

Últimos posts por Will (exibir todos)

Leave a Comment

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.