Livros

Published on maio 16th, 2013 | by Will

0

Barba Ensopada de Sangue

É fácil entender porque Daniel Galera é o autor brasileiro mais hype prestigiado do momento. O cara é fera.

Ganhei “Barba Ensopada de Sangue” no final de março. Presente de amigo secreto. Minhas amigas e eu tiramos os papeis em dezembro, mas a entrega é sempre nos começo do ano. E dessa vez atrasou.

Li outras coisas antes e peguei o livro pra ler tem duas semanas. É o melhor que eu li no ano até agora. Poderia ficar horas aqui tecendo elogios e falando porque eu quero casar com o Galera mas eu vou tentar mais ou menos falar o que eu achei do livro.

Logo no primeiro capítulo você pega. Diálogos rápidos. Livro fácil de ler. Daí tem o lance da cachorra. Do pai. Do filho. Do suicídio e da história do avô, que vai nortear a trama até chegar num desfecho bizonho de louco, bom e pirado.

A história é envolvente e tão bem construída que te pega e você lê desembestado. Só quando cheguei na página 200 percebi que o protagonista não tem nome. O que não deixa de ser interessante uma vez que ele tem prosopagnosia (tive que olhar no google pra escrever isso), que vem a ser uma doença que o impede de reconhecer o rosto das pessoas.

Mais. É fácil se identificar com o personagem. Porque afinal ele é um cara comum que chega, senta numa cadeira num boteco e pede uma cerveja observando a conversa da mesa ao lado. Ou Sei lá, almoça e come demais. Fica com a barriga cheia e não faz mais nada o resto do dia. Fica ali só morrendo um pouco.

Todo mundo já passou por isso. É fácil saber como o personagem se sente. É fácil se colocar no lugar dele. Porque essas são sensações que conhecemos afinal de contas.

Não é nada parecido, mas “Barba Ensopada…” me lembrou um pouco “Pornopopéia”, que a gente adora também. Porque dá exatamente a mesma sensação de que estamos diante de literatura da boa.

Ao mesmo tempo que a linguagem é simples ela não deixa de ser profunda ao mesmo tempo. Alguns temas complexos como destino, livre-arbítrio e determinismo são tratados com a naturalidade ali de chegar no bar tranquilão.

O que faz da história e toda a narrativa bastante geniais e envolvente.

Tem talvez uma falhinha. Um diálogo do nosso protagonista anônimo nadador com a Jasmim, quando ela está lendo o blog. O trecho sobre a questão do mito e tal é bom, mas muito comprido para a fala de uma pessoa.

De resto “Barba Ensopada…” é tão bom que seu maior defeito é a vontade que dá de largar tudo e morar na ponta da praia. Talvez no meio do mato quiçá.

Tags: ,


About the Author

Tem mais livros que amigos, mas tem os melhores amigos do mundo e troca qualquer série para estar com eles sempre que possível



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Back to Top ↑