Posted on: 6 de fevereiro de 2014 Posted by: Will Comments: 0

darcyQueria ler este livro desde sempre. Desde que comecei a pesquisar sobre o “Lampião da Esquina”, um jornal gay que circulou durante os anos da Ditadura Militar.

Darcy Penteado fez parte do conselho editorial e do time de fundadores do jornal ao lado de outros grandes como João Silvério Trevisan, Aguinaldo Silva e Caio Fernando Abreu.

Artista plástico, muito pouco lembrado, hoje ele dá nome a uma pracinha que fica quase ali em frente do Edifício Itália.

Encontrei “A Meta” em um sebo no Estante Virtual. E gostei bastante. O livro reúne algumas crônicas sobre tipos urbanos. Gays, michês, a elite, o suburbio.

Darcy não se furta nem mesmo à ironia de se colocar na boca de seus personagens para retratar costumes e modas setentistas. Há algo de tragicomédia nos textos também. Notas de Nelson Rodrigues.

O estilo me lembrou um pouco Fernando Sabino. Aliás, foi “Deixa o Alfredo Falar!” que me transformou num leitor voraz lá pelos idos de 2006.

“A Meta” valeu muito. Para mim mostrou que embora algumas coisas tenham mudado e evoluído nos últimos tempos, muita coisa, como preconceitos e modos de encarar a vida permaneceram iguais, apenas ganhando uma nova roupagem, uma versão 2.0.

E a gente aqui. Achando que tá inventando a roda.

Últimos posts por Will (exibir todos)

Leave a Comment

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.